| Objetivo

Capacitar Engenheiros de todas as especialidades e Arquitetos na área de Engenharia de Segurança do Trabalho para atuarem em empresas públicas e/ou privadas, prevenindo a ocorrência de falhas na concepção de projetos e operação destas empresas de forma a preservar a saúde dos trabalhadores.

| Público Alvo

Engenheiros e agrônomos que possuem registro no CREA (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia) e arquitetos que possuem registro no CAU (Conselho Regional de Arquitetura e Urbanismo do Brasil)

| Justificativa

De acordo com os dados publicados pelo Ministério da Previdência e Assistência Social - MPAS, em 2000, a construção civil, como exemplo, ficou em terceiro lugar em termos de índice de acidentes por 100 mil trabalhadores e em primeiro lugar em termos de frequência de acidentes fatais (Brasil, 2002b). Nos Estados Unidos, a construção é o setor com mais mortes por acidente do trabalho correspondendo a 16,9% das mortes em 1996, índice que cresceu progressivamente nos últimos anos chegando a 20,8% das mortes em 2001 (BLS, 2002). É importante destacar que os trabalhadores têm cada vez mais acionado as empresas acerca da responsabilidade civil baseados no Art. 159 do Código Civil, relativo ao ato ilícito: aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito, ou causar prejuízo a outrem, fica obrigado a reparar o dano. Além disso, há o respaldo do Art. 342 do Decreto 3.048 de 1999: o pagamento, pela Previdência Social, das prestações por acidente do trabalho não exclui a responsabilidade civil da empresa ou de outrem. E para piorar a situação para as empresas, o Art. 341, do mesmo decreto, estabelece que nos casos de negligência quanto às normas de segurança e saúde do trabalho indicadas para a proteção individual e coletiva, a Previdência Social proporá ação regressiva contra os responsáveis (Costella, 1999). O enfoque social, abordado por Cohn et al. (1985), destaca a violência do acidente do trabalho, caracterizando-o como uma das mais brutais formas de violência urbana. Isto acontece porque o acidente influencia a vida social do acidentado e da sua família, de modo que a vítima inicia uma trajetória de sofrimento e humilhações decorrentes do tipo de assistência que passa a receber, somando-se a sua fragilidade emocional e o seu abatimento moral que passa para toda a sua família. Os riscos apontados acima podem ser mitigados a partir de medidas proativas para melhorar as condições de trabalho e assegurar-se de que o trabalho está sendo desenvolvido de uma maneira segura utilizando-se metas dos programas de prevenção de acidentes. Para que estes investimentos realmente tenham o efeito desejado, é necessário concentrar esforços onde há maior ocorrência de acidentes, de modo a obter um maior retorno do investimento em segurança, pois quando as causas dos acidentes são entendidas, as atividades de prevenção têm uma grande possibilidade de se tornarem efetivas. Assim, para determinar quais trabalhadores estão mais sujeitos a acidentes, existe a necessidade do conhecimento das informações estatísticas relativas aos acidentes do trabalho e doenças profissionais para a utilização na prevenção dos acidentes. Em face disto existe a necessidade da formação de um profissional de engenharia de segurança do trabalho com o intuito de fazer a ponte entre a teoria e a prática da prevenção, e munir este profissional de ferramentas, especialmente as gerenciais, para que efetivamente tenha condições de tornar prática a tarefa, tão necessária, da prevenção de acidentes.

| Perfil do Formando

Os profissionais poderão atuar em planejamento, prevenção e proteção dos trabalhadores quanto a sua segurança e saúde e na garantia aos empregadores de que estão fornecendo condições seguras de trabalho. Elaborar programas de segurança em ambientes de trabalho, exigidos pela legislação do Ministério do Trabalho e outras legislações estaduais e federais.

Disciplinas do Curso

Conheça as disciplinas do curso de Engenharia de Segurança do Trabalho

Introdução à Engenharia e Segurança do Trabalho

Análise de acidentes e estatística de acidentes de trabalho no Brasil e no Mundo. Conceito Legal - Lei 8212. Ética e Responsabilidade profissional. Conceito Técnico (Prevencionista). Consequências do Acidente e Acidentado do Trabalho: Aspectos Humanos, Econômicos e Sociais do Acidente do Trabalho. Causas de Acidentes - Processo de Investigação. Riscos Principais das Diversas Atividades Econômicas. Atribuições e Responsabilidades do Engenheiro de Segurança do Trabalho. Lei Federal n°7.410 de 27/11/1985. Decreto Federal n° 92.530 de 09/04/1986. Resoluções do CONFEA n° 359/1991, 437/1999 e 1010/2006. Lei Federal 6.496 de Responsabilidade Técnica.


24

Legislação e Administração Aplicada à Engenharia de Segurança

Conceitos e princípios de administração. Política e programa de EST. Organização dos serviços especializados em EST. Recursos de informática de interesse da EST. Elaboração orçamentária para a execução de um programa de segurança. Modelos de gestão. Informatização organizacional. Novas tecnologias e suas implicações sociais. Legislação: Hierarquia das Leis, Legislação Federal, Estadual e Municipal. Constituição Federal. Legislação Acidentária. Legislação Previdenciária. Legislação Profissional. Capítulo V ¿ C.L.T. Responsabilidade Cível, Penal e Co-responsabilidades. Normas técnicas: Portaria Normativa. Dispositivos de Embargo e Interdição. Convenções e Recomendações da OIT. Normas Técnicas Nacionais e Internacionais. Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego. Elaboração de ¿Ordens de ¿ Serviço¿ relativas - às - Condições e Meio Ambiente de Trabalho de Acordo com o Art. 157 da C.L.T.


48

O Ambiente e as Doenças do Trabalho

Parte A - Primeiros Socorros: Noções de Fisiologia, Transporte de Acidentados. Feridas, Hemorragias, Queimaduras. Torções e Luxações. Parte B - Medicina: Conceituação de Medicina do Trabalho- Importância da Relação Causa e Efeito. Relação entre Agentes Ambientais e Doenças do Trabalho. Fatores Oriundos das Doenças do Trabalho que influenciam a produtividade e o bem estar do trabalhador. Aspectos Epidemiológicos das Doenças do Trabalho. Parte C - Toxicologia: Agentes Tóxicos. Vias de Penetração e Eliminação das Toxicidades do Organismo. Mecanismos de Proteção do Organismo. Absorção e Metabolismo. Mecanismos de Desintoxicação. Sistemas Enzimáticos. Limites de Tolerância Biológicos.


60

Proteção ao Meio Ambiente

Introdução à Avaliação Ambiental. Definições Técnicas: - meio ambiente; riscos ambientais, poluição, contaminação. Aspectos Legais: SISNAMA, CONAMA, ANVISA, Lei de Crimes Ambientais, Política Nacional de Meio Ambiente. Programa de Prevenção do Meio Ambiente. Segurança do Trabalho nas atividades voltadas ao saneamento (água, esgoto, resíduos, drenagem). Critérios e Técnicas de Avaliação e Controle dos Poluentes. Aspectos de segurança do trabalho nas atividades que envolvem a geração ou manuseio, coleta e transporte e destino de Resíduos de todas as classes. Elaboração e Implantação de Programas de Avaliação Ambiental ¿ Plano de Controle Ambiental ¿ PCA, Plano de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil ¿ PGRCC, Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos ¿ PGRS, Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde ¿ PGRSS.


48

Psicologia na Engenharia de Segurança, Comunicação e Treinamento

Noções de Psicologia Aplicada. Características e Personalidade. Aspectos Psicológicos da Seleção de Pessoal. O Papel de Segurança do Trabalho e Sua Importância no Treinamento. Requisitos de Aptidão. Aspectos Comportamentais do Empregador e dos Trabalhadores na aquisição, distribuição e utilização dos Equipamentos de Proteção Individual. Dinâmica de Grupo.


24

Ergonomia

Conceitos (Física/Cognitiva/Organizacional). Legislação em vigor NR 17. Antropometria (Idade, fadiga, vigilância, acidentes). Biomecânica (Aplicação de forças, resistência muscular, posturas inadequadas, movimentos repetitivos). Sistema Homem-máquina. Trabalho em turno e noturno. Noções de fisiologia. Medidas antropométricas. Dimensionamento de postos de trabalho. Ergonomia cognitiva (cargas mentais, inteligência no trabalho, limitações sensoriais, dispositivos de controle, dispositivos de informações). Ergonomia organizacional (rotação de postos de trabalho, revezamento, pausas, ginástica laboral). Ergonomia de processo e produto (ergodesigh, ecoergonomia, layout). Doenças ocupacionais - DORT-Doencas osteo-musculares relacionadas ao trabalho, LER-lesões por esforço repetitivo. Metodologias de avaliação ergonômica (AET - analise ergonômica do trabalho, Escola OCRA, NIOSH...). Estudo de aplicação dos conceitos de ergonomia em melhoria das condições de saúde e segurança no trabalho.


36

Higiene do Trabalho I - Ruídos e Vibrações

Conceituação, classificação, reconhecimento de riscos e tempo de exposição. Ruídos: conceitos gerais e ocorrência. Física do som. Critérios de avaliação. Laboratórios, técnicas de medição. Medidas de controle. Vibrações: conceitos gerais e ocorrência. Física das vibrações. Laboratório de medições. Critérios de avaliação. Medidas de controle. Prática e técnicas de medição e análise de medidas de controle.


48

Higiene do Trabalho II - Temperaturas Extremas e Pressões

Temperaturas extremas conceitos gerais e ocorrência. Transmissão de calor. Técnicas de medição. Critérios de avaliação. Medidas de controle. Laboratório de técnicas de medição. Laboratório de avaliação e controle. Iluminação: conceitos gerais. Nível de iluminamento. Efeitos estroboscópicos. Laboratório de avaliação e análise de projeto de iluminação. Fatores interferentes da iluminação. Iluminação especial. Pressões elevadas, baixas e hiperbáricas: conceituação, ocorrência, avaliação. Medidas de controle. Ventilação aplicado à engenharia de segurança do trabalho. Conceituação. Ventilação geral: ventilação para conforto térmico. Ventilação natural. Ventilação geral diluidora. Ventilação local exaustora e aplicada ao controle de contaminantes dos ambientes de trabalho. Laboratório de avaliação de sistemas de ventilação: manuseio de aparelho de medição. Medição de velocidade de ar e pressão estática em dutos. Medição de nível de oxigênio em espaços confinados.


24

Higiene do Trabalho III - Radiações

Ementa: Radiação ionizante: conceitos gerais e ocorrência, classificação, técnicas de medição, critérios de avaliação e medidas de Controle. Radiação não-ionizante: conceitos gerais, classificação. Radiofrequencia: conceituação, ocorrência, classificação, técnicas de medição e critérios de avaliação. Equipamentos de medição: medidas de controle. Radiação infravermelha: conceituação, ocorrência, classificação, técnicas de medição, critérios de avaliação e medidas de controle. Radiação ultravioleta: conceituação, ocorrência, classificação, técnicas de medição, critérios de avaliação e medidas de controle. Laser e maser: conceituação, ocorrência, classificação, técnicas de medição, critérios de avaliação e medidas de controle.


24

Higiene do Trabalho IV - Agentes Químicos

Contaminantes químicos: conceituação, ocorrência, classificação. Limites de tolerância. Técnicas de reconhecimento. Contaminantes sólidos e líquidos: classificação, ocorrência. Técnicas de amostragem e avaliação. Contaminantes gasosos: classificação e ocorrência. Estratégias de amostragem. Técnicas de avaliação. Medidas de controle coletivo para agentes químicos. Medidas de controle individual. Laboratórios de manuseio de equipamentos de avaliação de gasosos. Laboratório de aferição e determinação de vazão dos equipamentos de avaliação. Riscos relativos ao manuseio. Armazenagem e transporte de substâncias agressivas. Avaliação de explosividade. Contaminantes biológicos: conceituação e ocorrência. Avaliação qualitativa e quantitativa. Biossegurança. Aspectos Legais: NR 15 e seus anexos, ACGIH, NHOs.


48

Prevenção de Riscos I - Máquinas e Equipamentos Mecânicos

NR 11. NR 12. Conceituação e importância. Bombas e motores. Veículos industriais. Equipamentos de guindar e transportar. Ferramentas manuais. Ferramentas motorizadas. Soldagem e corte. NR 13. Caldeiras. Vasos sob pressão. Compressores. Equipamentos de processos industriais. Equipamentos pneumáticos. Equipamentos de proteção individual ¿ EPI. Sistemas de proteção coletiva. Dispositivos de intertravamento. Cor, sinalização e rotulagem. Área de utilidades. Manutenção preventiva e engenharia de segurança.


24

Prevenção de Riscos II - Eletricidade

Eletricidade básica, choque elétrico, arco elétrico. Aterramentos elétrico. NR10 - segurança em instalações e serviços com eletricidade. NBR 5410 - instalações elétricas de baixa tensão. Equipamentos de proteção coletiva e individual. Análise preliminar de riscos. Prevenção ao risco elétrico. Acidentes de origem elétrica.


24

Prevenção de Riscos III - Construção

Peculiaridade da Indústria da Construção. Histórico da NR-18. A legislação em SST para a indústria da construção. Implantação do canteiro de obra. Serra circular e seus dispositivos de proteção. Proteção contra Quedas de Alturas: Sistema de guarda-corpo e rodapé, Proteção de periferia de laje, Proteção em abertura de laje, Proteção em vãos de elevador, Plataformas de proteção, Redes de proteção. Transporte de materiais e pessoas: elevadores de materiais e passageiros, gruas, guinchos de coluna. Andaimes: Andaimes simplesmente apoiados, andaimes em balanço, Andaimes fachadeiros, Andaimes suspensos mecânicos. Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção: Estrutura do PCMAT, Projeto e dimensionamento das proteções coletivas e individuais, Lay-out do canteiros de obras, Cronograma de implantação, Programa educativo. Elaboração de um PCMAT.


48

Proteção Contra Incêndios e Explosões

Plano de Emergência Contra Incêndio (NBR 15219:2005). Controle dos Materiais Combustíveis. Compartimentação Horizontal e Vertical. Resistência ao Fogo dos Elementos Estruturais. Rotas de Fuga e Controle de Fumaça. Sinalização de Emergência. Distanciamento Seguro entre Edifícios. Hidrantes e Mangotinhos. Chuveiros automáticos de Extinção: Sprinklers. Iluminação de emergência. Detector de Fumaça e Detecção de alarme. Elaboração de um Projeto de sistemas de Proteção contra Incêndio e Explosões: a) Dimensionamento de rede de hidrantes e extintores; b) Dimensionamento de sprinklers; c) Dimensionamento da bomba; d) Determinação da rota de fuga; e) Pressurização de escadas; f) Exigências legais; g) Calculo da carga de incêndios; h) Dimensionamento das escadas clausura e corrimões; i) Detecção de alarme; j) Detector de fumaça; k) Sinalização da edificação; 1)Iluminação de emergência; m) instalação de geradores de emergência; n) Proteção acústica do gerador.


60

Trabalho em Altura

Paramentação/uso dos equipamentos e seus ajustes: capacete, jugular, cinto tipoparaquedista, linha de vida, travaquedas, talabarte de posicionamento, talabarte, entre outros; Nós utilizados; Manuseio e amarrações de escadas; Criação de pontos de ancoragem; Técnicas de montagem de linha de vida do solo: linha de vida simples e sistema de resgate integrado; Fator de queda e suspensão inerte; Subida, posicionamento para execução das atividades e descida; Transposições de pontos de ancoragem; Técnicas de resgate em escadas; Atividades com cesto aéreo e sistema de resgate; Aspectos legais: nbrs relacionadas, NR10, NR18. Análise preliminar de riscos; Riscos adicionais: ruído, calor, frio, eletricidade, entre outros; Técnicas de trabalho em altura e resgate no Sistema Elétrico de Potência e em suas proximidades: Redes de Distribuição, Telecomunicações, Subestações e Linhas de Transmissão. Técnicas de trabalho em altura e resgate na indústria: estrutura, telhados, fachadas, entre outros.


24

Gerência de Riscos I

Introdução a Gerencia de Riscos; Natureza dos Riscos Empresariais. Riscos Puros e Riscos Especulativos. Conceitos de Segurança de Sistemas e Subsistemas. A empresa como Sistema. Modelo de um Programa de Gerenciamento de Riscos. Custo dos Acidentes. Plano de Contingência. Sistema de gestão das Condições e Meio Ambiente de Trabalho.


24

Gerência de Riscos II

Identificação e Análise de Riscos. Técnicas de Incidentes Críticos (T.I.C). Análise Preliminar de Riscos (A.P.R.). Série de Riscos. Análise de Vulnerabilidade das Instalações Industriais. Check-list. Análise de Arvore de Falhas (AAF). Análise de Modos de Falhas e Efeitos (AMFE). Hazop e confiabilidade. As diversas escalas de Prevenção de Perdas. Controle de Danos. Programas de segurança e saúde e suas interfaces: PPRA, PCMSO, PCA, PPPOB, PGRSS, PPR; PPRPS, PPRMI, Ordens de serviço, etc. Elaboração de um Programa de Prevenção de Riscos Ambientais - PPRA.


36

Laudos e Perícias

Introdução. Requisitos para se tornar um perito. Perito Judicial. Assistente Técnico: o papel do preposto. Conceitos técnicos e legais: CLT, Normas Regulamentadoras, Portarias, Decretos, Normas e Regulamento da previdência. Discussões técnico legais: Jurisprudências e Doutrinas. A reclamação trabalhista: inicial, defesa. Laudo Pericial, Quesitação, Impugnação. Etapas da perícia: notificação, levantamento de campo, elaboração do laudo. Exemplos de perícias de Insalubridade, Periculosidade, Aposentadoria Especial e Acidentária. Estudos de caso.


24

Seminário de Orientação para Elaboração de Monografia

Processo de investigação científica. Planejamento da pesquisa. Coleta de informações. Procedimentos metodológicos de pesquisa. Estrutura e elaboração de monografias.


24

Investimento

24 parcelas de R$ 830,00

Presencial

Capacitar Engenheiros de todas as especialidades e Arquitetos na área de Engenharia de Segurança do Trabalho para atuarem em empresas públicas e/ou privadas, prevenindo a ocorrência de falhas na concepção de projetos e operação destas empresas de forma a preservar a saúde dos trabalhadores.

Matricule-se